Cai a máscara do fascismo na UnB

Se pairavam dúvidas sobre o fascismo existente no atentando da última sexta-feira (17) na Universidade de Brasília (UnB), elas acabam de ser elucidadas: nossa reportagem teve acesso aos diálogos do grupo criado no WhatsApp intitulado inicialmente como “Invasão CA Sociologia” para articular a dissimulada “manifestação”. As conversas explicitam as táticas e meios — como bombas, taser, spray de pimenta e canos de PVC “disfarçados” de bandeira — a serem utilizados para espalhar o terror e a violência. O objetivo do grupo é desmascarado nos diálogos em que revelam disputas políticas, violência física, chacina e intimidação dos estudantes e professores da universidade, além de preconceitos como homofobia, machismo, racismo e discursos de ódio contra a esquerda. Há ainda ameaças criminosas de espancamento a alvos específicos.

No dia do atentado circulou a informação de que o objetivo do grupo era promover uma confusão no Centro Acadêmico de Sociologia. Um dos envolvidos chegou a enviar uma foto para o grupo em que aparece com uma besta (arma com aparência de espingarda equipada com um arco de flechas acionado por um gatilho) perguntando se poderia levar o armamento. Na legenda, lê-se “guardado com carinho aos comunas”. Os participantes demonstram simpatia ao Deputado Federal Jair Bolsonaro (PSC/RJ) — réu no Supremo Tribunal Federal (STF) por incitação ao crime de estupro — e, inclusive, afirmam que o parlamentar tem conhecimento de quase todos os acontecimentos do gênero. Vale lembrar que não é a primeira vez que o nome do deputado em questão está relacionado a crimes do tipo. Em 2013, uma ação penal movida pelo Ministério Público condenou três indivíduos de Belo Horizonte por crimes de apologia ao nazismo e intolerância racial. Em meio aos pertences apreendidos, constava uma carta escrita por Jair Bolsonaro.

Embora a pauta utilizada para a mobilização fosse um ato pela liberdade de expressão e pela Escola Sem Partido, o discurso predominante foi o da violência e opressão aos chamados comunistas e esquerdistas. Um dos envolvidos menciona que se houvesse violência, desmantelaria o movimento [da esquerda] a ponto de muita gente abandoná-lo “com medo de dar merda”. Justificam constantemente a utilização do aparato repressor como prevenção ao possível ataque que poderiam sofrer, seja ele verbal ou físico. Apesar de afirmarem na mesma frequência que os “adversários políticos” são “frouxos e covardes” e que revidariam as provocações somente com palavras de ordem e cuspes. Combinam provocações para ser o estopim das agressões, explicando a premeditação do atentado. “Se eles me chamarem de fascista eu vou pegar o primeiro que tiver cabelo grande já pelos cabelos, tacar no chão e tacar um pisão na cabeça (…) A gente tem que chega já nos berro e se possível já pegando e dando um tapão na cara de um”. Promete um agressor. Durante a ação, os extremistas chegaram a explodir duas bombas, ameaçar estudantes com uma arma de choque (Taser) e difamar de maneira homofóbica.

O grupo que arquitetou e colaborou com a “invasão” é formado por ex-alunos, servidores públicos, profissionais liberais e ativistas conservadores, liberais e da extrema direita, com a conivência de membros da universidade, entre eles, uma aluna integrante do Distrito Liberal (DL) se apresentou como “ponte” de diálogo entre o Instituto Liberal do Centro-Oeste (ILCO) e os demais envolvidos na ação. Percebeu-se a necessidade de ter universitários integrando a ação para que a mesma tivesse legitimidade. Porém, houve conflito entre os movimentos aliados, onde, em determinado momento, os integrantes da universidade se afastaram do grupo por discordâncias com a violência vinculada às suas respectivas imagens como mostra um dos argumentos: “Gostaria muito de pedir a todos vocês que estão organizando uma manifestação na UnB, que parem de querer arrumar confusão. Porque isso vai ficar muito feio pro nosso lado (…) Eu não concordo com nenhum tipo de violência, isso vai manchar os nossos nomes e principalmente o meu ali dentro (…) Se forem partir pra ataques e agressões, não façam isso na UnB. Já pararam pra pensar que é muito melhor que eles fiquem com fama de violentos e inescrupulosos? Que eles que são os agressores raivosos?”. Entretanto, os membros da universidade que se afastaram, mesmo tendo conhecimento da data, horário e o tipo da ação, não reportaram sobre o atentado. A impressão deixada é a de maior preocupação com o palanque político na preservação de alianças úteis, do que com a integridade física da comunidade acadêmica.

A ação de sexta-feira contou com cerca de dezoito pessoas e não foi a primeira protagonizada por membros do grupo. Nos diálogos há citações a atividades anteriores, como o lançamento do livro “A Resistência ao Golpe de 2016”, ocorrida no Beijódromo da universidade — em que comemoram o fato de oito fascistas terem enfrentado 1.500 estudantes. Outras ações visando a violência em outros estados também são orquestradas e incentivadas pelo grupo [sendo citado Rio de Janeiro e Bahia]. Após cobertura da Mídia NINJA sobre o atentado com ampla repercussão nacional negativa, parte do grupo se mostrou temerosa. Contactaram juristas e advogados, evitaram entrevistas à imprensa, e mencionaram a compra e veiculação de nota oficial em defesa do grupo [por R$2.900,00 reais] em jornal local, acionaram as redes sociais de direita para auxiliar na defesa, se questionaram e destruíram o chat do grupo, embora tenham reforçado a participação em outros grupos e a vontade em continuarem juntos. Conscientes de terem agido fora da lei, um deles afirma: “se sair um print daqui, vai todo mundo pra cadeia”.

Via medium.com

Deixe seu comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pular para a barra de ferramentas