ONU Mulheres promove campanha ‘Que mulher negra é um exemplo para você?’

Mais de 50 milhões de mulheres negras brasileiras lembraram, na segunda-feira (25), o Dia da Mulher Afrolatinoamericana, Afrocaribenha e da Diáspora.

Em seguimento à Marcha das Mulheres Negras contra o Racismo e a Violência e pelo Bem Viver, ocorrida em novembro de 2015, a Articulação de ONGs de Mulheres Negras Brasileiras (AMNB) e a ONU Mulheres lançaram o desafio “Que mulher negra é um exemplo para você?”.

CardMulherNegra

Mais de 50 milhões de mulheres negras brasileiras lembraram, na segunda-feira (25), o Dia da Mulher Afrolatinoamericana, Afrocaribenha e da Diáspora.

A data foi instituída há 24 anos durante o Encontro Latino-Americano de Mulheres Negras, ocorrido na República Dominicana. Desde 2014, entrou para o calendário nacional, como Dia de Tereza Benguela e Dia Nacional da Mulher Negra, quilombola e lutadora pelo fim da escravização no Brasil.

Em seguimento à Marcha das Mulheres Negras contra o Racismo e a Violência e pelo Bem Viver, ocorrida em novembro de 2015, a Articulação de ONGs de Mulheres Negras Brasileiras (AMNB) e a ONU Mulheres lançaram o desafio “Que mulher negra é um exemplo para você?”.

Ao longo da segunda-feira, internautas foram convidadas(os) a gravar suas próprias mensagens e postá-las nas redes sociais, marcando as tags #DiaDasMulheresNegras e #JulhoDasPretas, homenageando as mulheres negras de referência em suas vidas.

“As mulheres negras, jovens e lésbicas ganham menor salário, compõem os maiores índices de analfabetismo no país. Ocupam os índices alarmantes da violência doméstica, cotidiana e urbana. Portanto, convocamos as mulheres negras de todo o país para transformar esta realidade”, afirma Valdecir Nascimento, secretária-executiva da AMNB e coordenadora do Instituto Odara.

“Não podemos permitir que o racismo, o sexismo vençam. Vamos celebrar, mas vamos lutar pela democracia e para que se mantenha a utopia política das mulheres negras pelo bem viver. Essa é a nossa luta. Seguimos em Marcha!”.

Na liderança do Grupo de Trabalho de Gênero, Raça e Etnia das Nações Unidas no Brasil, Nadine Gasman, representante da ONU Mulheres Brasil, ressalta a resiliência das mulheres negras no Brasil em contraponto ao racismo e ao sexismo.

“As mulheres negras são agentes decisivos históricos no desenvolvimento socioeconômico do Brasil. Contudo, foram invisibilizadas e alvo de opressões perversas que lhes violam direitos. Ao se afirmarem como sujeitas políticas, as mulheres negras estão transformando o Brasil por meio da consciência de seus valores ancestrais e afirmação identitária. É a continuidade do poder político que sempre tiveram”, considera Gasman.

Situação das mulheres negras

O alto grau de exclusão motivado pelo racismo e pelo sexismo se revela no mercado de trabalho. As mulheres negras têm renda média correspondente a quase metade do que recebem as mulheres brancas e um terço da remuneração dos homens brancos.

O trabalho doméstico emprega 20% das mulheres negras ocupadas, sendo a categoria formada por 6 milhões de profissionais. Esta profissão é principal porta de entrada das mulheres negras (61%) no mercado de trabalho e onde a violação de direitos é mais evidente: cerca de 75% das trabalhadoras não possui carteira assinada.

Com relação aos postos de comando nas empresas, a presença da mulher negra é quase nula. Embora represente 50% da população feminina brasileira, apenas 0,4% das mulheres negras estão no executivo, 1,6% na gerência, 8,2% na supervisão e 10,3% no quadro funcional, conforme o relatório Perfil Social, Racial e de Gênero das 500 maiores empresas do Brasil e suas ações afirmativas, de 2016, do Instituto Ethos em cooperação com o Banco Interamericano de Desenvolvimento e apoio da ONU Mulheres.

Fonte: https://nacoesunidas.org/onu-mulheres-promove-campanha-que-mulher-negra-e-um-exemplo-para-voce/

 

Deixe seu comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pular para a barra de ferramentas