“Queremos ser tratados como pessoas”, diz funcionária transexual da UFJF

“Será que a vida dessas pessoas é tão perfeita para eles se sentirem no direito de julgar a gente?” É com esse questionamento que a transexual Suelem Spada dos Santos, 22, funcionária terceirizada da UFJF (Universidade Federal de Juiz de Fora), fala sobre a campanha realizada pela instituição contra a LGBTTI Fobia.

LGBTTI é uma sigla para lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e intersexuais.

Segundo ela, a iniciativa da universidade serve para refletir e conscientizar as pessoas sobre o tratamento dispensado às comunidades LGBT. “Queremos respeito”, destacou.

“É uma forma de tentar abrir a cabeça dessas pessoas para que elas nos tratem de maneira igual. Espero que isso aconteça e que não sejamos vistos como bichos. Tem pessoas que acham que você é um bicho por ser homossexual. Ninguém é melhor que ninguém. Só queremos respeito e ser tratados como pessoas”, declarou.

Em seu emprego anterior, Suelem relembra a discriminação que sofria. A empregadora exigia que ela recebesse o pagamento sem estar em trajes femininos. “Ela falava que, se eu aparecesse vestida com minhas roupas, eu não receberia o salário”, contou.

Um dos maiores desejos da jovem é vivenciar um cotidiano no qual as orientações sexuais sejam respeitadas e interpretadas como normais pela sociedade.

Semana de Combate à LGBTTI Fobia

A campanha desenvolvida pela UFJF foi pensada para marcar a semana do Dia Internacional Contra a Homofobia– celebrado dia 17 de maio– e as atividades da campanha foram feitas até esta sexta-feira (20).

Entre os eventos de combate à LGBTTI Fobia [sigla para lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e intersexuais] estão sendo realizadas palestras, blitz educativa, um cine-debate e sarau.

Um vídeo produzido para as redes sociais da universidade tem como mote as perguntas: “Por que eu te incomodo?” e “por que a gente te incomoda?’. Personagens reais da comunidade acadêmica participaram da campanha, incluindo Suelem.

A iniciativa partiu do Gesed (Grupo de Pesquisa em Gênero, Sexualidade, Educação e Diversidade), da Faculdade de Educação, e do Coletivo da Diversidade Sexual Duas Cabeças. Os trabalhos têm apoio da Diretoria de Ações Afirmativas e da Diretoria de Imagem Institucional da UFJF.

Segundo os organizadores, a intenção é sensibilizar, por meio da campanha a comunidade acadêmica e a sociedade.

Fonte: http://educacao.uol.com.br/noticias/2016/05/20/queremos-ser-tratados-como-pessoas-diz-funcionaria-transexual-da-ufjf.htm#fotoNav=1

Deixe seu comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pular para a barra de ferramentas